Em um mundo com cada vez mais meios de propagação, será cada vez mais necessário organizar, sistematizar e qualificar o jeito de se comunicar com seus funcionários

Falo bastante aqui neste blog a respeito de estratégias de comunicação voltadas ao público externo, pensadas para criar e fidelizar uma comunidade de clientes, a famosa e tradicional freguesia. A importância de comunicar-se bem, no entanto, não deve ficar limitada da porta pra fora. Há que se lembrar sempre da importãncia que cada funcionário tem para a conquista de bons resultados.

Pra começo de conversa, não se deve misturar comunicação interna com planos de meta, gratificações, tampouco com planos motivacionais. Comunicação interna pressupõe honestidade, franqueza e transparência, seja na “saúde ou na doença”.

Parece simples então. Basta falar tudo que tem vontade na cara do colaborador, doa a quem doer. Na verdade,  não é bem assim, e é aí que entra nosso trabalho. Existem inúmeras formas de se dizer a mesma coisa, mas geralmente há uma ou duas maneiras mais adequadas ao contexto, capazes de manter a equipe coesa e preparada para novos desafios.  A difícil tarefa de escolher requer pleno domínio dessa ciência chamada comunicação e desse difícil animal chamado ser humano.

O primeiro passo é descobrir quem são esses rapazes e moças que diariamente colaboram contigo. A vivência certamente concede algumas pistas, mas a vida ê dinâmica, os eventos ocorrem, os humores se modificam. Tem sido cada vez mais necessário ter um bom gerente de pessoas dentro das empresas justamente por isso. Até pelo tempo que se passa trabalhando, os relacionamentos dentro de uma empresa ultrapassam a barreira do casual e passam ter vínculos profundos. Entender cada indivíduo e as relações que eles mantém é essencial para estabelecer uma política de comunicação eficaz.

E como se descobre isso?

Lembra das entrevistas com os candidatos às vagas de emprego que você abriu? Pois então esqueça elas, pois elas definitivamente não servem como referência para saber a verdadeira essência de seus funcionários. Você sabe bem que nessas situações ganha quem “vende” melhor a si mesmo, o que não necessariamente representa o que de fato cada um tem a oferecer. Por isso, é importante pensar em um jeito e num clima para tirar a “verdade” de cada colaborador.

Difícil? Comece certo, erguendo uma empresa baseada em princípios bem estabelecidos, e você terá menos dificuldades para encontrar esse “jeito”.

 Crie referências de informação e consulta

Quem são as referências de conhecimento dentro da sua equipe? Valorize esses caras, pois, além de raros, estes são seus maiores aliados. Não apenas como consultores  mas como potenciais exemplos de profissionalismo. Toda equipe precisa ter seu capitão, seu coordenador, seu líder, aquele que deve ser seguido. Isso dá coesão e organização à sua equipe, mas tome cuidado na escolha para não gerar rejeição.

Da mesma forma que na comunicação externa, é preciso informar seus funcionários criando veículos capazes de fazer a comunicação cumprir seu objetivo de informar. Lembra daquele gerente de pessoas? Pois ele será essencial para definir qual suporte será o mais adequado para o perfil da equipe. Lembra daquela referência dentro da equipe? Acione ele sempre que necessário, pois ele tem credibilidade e tem o ‘jeito’ certo de se fazer entendido. Aliás, trabalhar em conjunto, de forma orquestrada com outras áreas da empresa,  é o espírito da comunicação interna. Nunca se esqueça disso.

Seus funcionários andam atrás de você a toda hora, perguntando coisas triviais? A “rádio peão” tem gerado cada vez mais boatos dentro do ambiente de trabalho? Algo pode estar errado.  Crie dentro da sua empresa uma cultura de consulta nos meios adequados. Se não haver esses meios crie  eles. O bom e velho mural de recados continua sendo eficaz, mas são se limite a ele. Pense sempre em aprimorar os processos de comunicação interna, estabelecendo critérios para escolher os melhores meios e formas para que a comunicação não gere ruídos.

Prepare seus funcionários para as novas tecnologias

Um bom plano de comunicação interna deve, inevitavelmente, contemplar o uso da Internet? Não necessariamente, mas o computador é um grande aliado, e uma equipe preparada para lidar com a informática sai na frente em vários aspectos. O problema é que no Brasil há um deficit imenso em inclusão digital e um dos quem mais pagam o pato por conta disso é o empregador. Mas não se desespere pois é possível reverter parte desse quadro contratando empresas capazes de fornecer treinamentos que pelo menos ofereçam ao menos o elementar da informática.

Nós podemos te ajudar

 Comunicação interna deixou de ser exclusividade dos grandes. Pense grande, nunca se esquecendo que sua equipe de colaboradores constrói diariamente a riqueza de sua empresa.

Deixe seu Comentário

Who are you?

Sua mensagem