Não entre no desespero de propagar os produtos e serviços de sua empresa por todos os meios que lhe são oferecidos. Além de não funcionar, você perde dinheiro

A tag “fail”, tal como ela está na imagem ficou conhecida por meio das mídias sociais para designar aquelas gafes de famosas ou até mesmo erros comuns do cotidiano. “Fail” é falha, em inglês, como aquela protagonizada pelo jogador Neymar que, para divulgar a marca de seu patrocinador, comemorou um gol usando uma máscara com seu próprio rosto. Além das regras do futebol proibirem, ele a usou de ponta cabeça. Resultado? A falta de perícia daqueles que organizaram a ação de marketing gerou, na verdade, um grande mico. Ou, se preferir, um “fail” divulgado pela imprensa do mundo todo onde a imagem do jogador e do patrocinador foram em quem mais perderam.

A mesma regra vale para o micro e pequeno empreendedor interessado em crescer. É preciso contornar as cascas de banana que são oferecidas no caminho no momento de divulgar seus produtos e serviços. Reúno aqui cinco formas de divulgação cujo resultado pode ser nulo ou até prejudicial à imagem de seu empreendimento:

Divulgação de meios online apenas por publicidade offline: não é que não funciona mas é bem menos efetiva. Divulgar um blog ou site por meio de um banner físico, por exemplo, traz ganho de imagem ao estabelecimento (se bem feito), mas dificilmente alguém irá anotar o endereço eletrônico para, em casa, acessá-lo. O interessante é posicionar a divulgação online de modo que ela complemente uma ação, ou seja,dê a ela não a função de atrair visitantes ao site mas de servir como lembrete para o cliente assinar sua newsletter, por exemplo. De repente agregando até mesmo um desconto para quem assiná-la.

Pensar em propaganda na Internet do jeito antigo: Já parou pra analisar o funcionamento das propagandas na TV, no rádio, nas revistas? Você está lá, curtindo um programa, uma reportagem legal, ouvindo notícias e de repente é interrompido por uma mensagem publicitária. Sim, eles funcionam interrompendo aquilo que você está fazendo sem pedir por favor. O problema é que esse jeito não funciona na Internet. Não adianta encher a tela do usuário de banners pulando, ou então forçando-o a assinar  sua newsletter por meio de uma página que não pode ser fechada. Na Internet é preciso criar conteúdo relevante e ser a atração. Caso contrário, pelo maior poder de escolha do usuário, a rejeição a determinada marca, serviço ou produto virá de uma forma muito mais definitiva e agressiva.

 Panfletagem: aqui, na verdade, é preciso ter cuidado. O princípio é o mesmo do envio de e-mail marketing. Não adianta distribuir sua mensagem sem ter critérios de envio. Pense, de repente, em panfletos com mensagens segmentadas, voltadas para tipos de público diferentes. E sempre pense e organize-se para definir os melhores locais de distribuição. Gerar papel no chão pode ser extremamente lesivo para a imagem da sua empresa.

Classificados: falo daqueles classificados de jornal sem interatividade, pouco atraentes, estáticos. Formam, no fim das contas, grandes paredes de conteúdo que nada dizem, e o que é pior, extremamente caras.  Falando como consumidor, sabemos que hoje, com o advento da internet, existem formas mais rápidas e confiáveis de se encontrar aquilo que procura, certo? No caso da Internet, é importante que se divulgue seu serviço por meio de sites de classificados gratuitos, tais como OLX e Vivastreet. Como são sites de referência, eles  podem melhorar o pagerank de seu site ou blog nos mecanismos de busca.

Jornais e revistas de bairro, tome cuidado: sempre analise com frieza essa possibilidade. Verifique o projeto gráfico do produto, a circulação e a tiragem. O que prejudica a divulgação nesses meios é o pouco cuidado visual apresentado, muitas vezes poluido demais, pois privilegia a publicação do maior número de anúncios no menos espaço possível. Óbvio que não são todas as publicações, por isso, a recomendação aqui é ter critérios na hora de receber uma oferta dessas. Lembre-se da segunte regra: muita informação gera desinformação. E seu anúncio, para ser efetivo, precisa “respirar”.

Deixe seu Comentário

Who are you?

Sua mensagem