Muitas vezes a construção do site ou blog não garante aumentos de lucratividade diretos, nem devemos crer na geração de resultados espontâneos,  pois a atividade criativa do ser humano ainda é fundamental

 Todo empreendedor interessado em contratar um serviço de divulgação pergunta, antes de tudo, duas coisas: primeiro o preço e segundo os resultados. E eles não estão errados, pois todo investimento pressupõe a expectativa de retorno. No caso da construção de um site ou de um blog, a empresa necessita entender que os resultados dependem muito mais do que aa realização de um bom trabalho técnico (programação e projeto visual).

Qual o lugar de cada um?

Com o intuito de esclarecer de maneira honesta e franca esses questionamentos, vou reunir aqui alguns conceitos que ajudam a responder essa pergunta. Primeiro de tudo, o site institucional ocupa um lugar na Internet bem diferente do blog. Site é cartão de visitas, apresenta a empresa, reune os produtos ofertados. Pode até ser uma loja virtual, ou ponto de atendimento ao cliente, mas não para todos os casos.

O site, portanto, é considerado uma mídia fria, geralmente de conteúdo estático. Um site bem feito deve cumprir, com competência,o papel de apresentar a empresa, oferecer os dados para contato. Ser um trampolim para as mídias sociais. E é ai que entra o blog.

O Blog é um mecanismo de aproximação com o cliente. Precisa ser atualizado constantemente, trazer novidades, dialogar como as pessoas. Pode ser tanto autoral, assinado por um executivo ou pelo empreendedor responsável, ou escrito em nome da marca. É, por isso, uma mídia quente, que privilegia o diálogo, não a mera informação. A informação, sim, deve ser um convite ao diálogo e,por que não, prestar um serviço de pós-venda. 

O blog deve antecipar as necessidades e questionamentos do cliente, deve trazer novas possibilidades de consumo, dá-lo suporte para elevar a experiência sobre determinado produto ofertado pela empresa.  No meio disso, salpicar com elementos que possam elevar o valor agregado da marca: ações sociais, prestação de serviços, responsabilidade socioambiental. Ações promocionais também podem ser divulgadas pelo blog, e sempre, nesse caso, atente-se para necessidade de unir forças na blogosfera. A não ser qu seu blog seja um sucesso de audiência, é necessário estabelecer parceria com outros blogueiros para ampliar seu alcançe.

Nem é preciso duzer que antes de  ir à prática é preciso definir quem será o seu público leitor. E definir não significa restringir, lembre-se disso.

Tá, mas, e os resultados?

Se esse trabalho foi bem orquestrado com as mídias sociais (fundamentais, diga-se), os ganhos certamente virão. Mas não espere dar saltos recorde de lucratividade. Mídias sociais e divulgação digital não são máquinas de fazer dinheiro. Aliás, se existir, me avise.

Um trabalho de divulgação bem feito na Internet gera dois tipos de ganho:

Ganho real: muitas vezes gerado por ações promocionais propagadas pelas mídias sociais. Uso de sites de compras coletivas é um bom exemplo disso. As pessoas literalmente se jogam a uma promoção muitas vezes pensando apenas no preço. Nesse caso, o cartão de visitas da empresa é a oferta, o brinde, o desconto. É um bom começo, mas gera responsabilidades à marca, que deverá constantemente renovar esse contrato firmado pela barganha e comer pelas beiradas, mantendo diálogo com o cliente e divulgando outros predicados da empresa para que haja fidelização.

Ganho de imagem: difícil de mensurar, pois reside na cabeça das pessoas. A criação de um logotipo visualmente atraente, a apresentação de um conceito de empresa, ações que visam agregar valores à marca, a postura dos colaboradores, a postura da empresa nas mídias sociais, a qualidade da venda e do pós-venda,  enfim, tudo isso gera um ganho de imagem. Tudo isso gera um imaginário dentro da cabeça da pessoa, negativo ou positivo, que responde pela fidelização, por indicações espontâneas, pela sensação de conforto ao escolher a empresa, pelo estabelecimento de um espaço da empresa no mercado.

Um boa dica é manter uma política permanente de consulta ao cliente sobre os serviços prestados. Isso pode ser feito tanto de modo online como off-line. o bom formulário de papel ainda ajuda muito. Questionando o cliente com boas perguntas com respostas dirigidas é possível ao menos supor os porquês que levaram a sua tomada de escolha e diagnosticar possíveis pontos a serem melhorados.

Cansou? A gente se cansa também!

Sim, é um trabalho que exige fôlego. Muita desacredita ou não leva a sério o trabalho de divulgação online. Fica o dia inteiro trabalhando em frente ao Facebook ou Orkut parece brincadeira mas não é.  Por isso, se estiver em dúvida, dê um voto de confiança e assuma o risco de investir nesses serviços.  E sempre calcule bem as expectativas para não gerar frustrações desnecessárias. Se outdoor não é máquina de fazer dinheiro, porque a divulgação online deveria ser? Pense nisso, uma ação bem osquestrada não revoluciona o balanço mensal mas traz, sem dúvida, ganhos permanentes no imaginário do consumidor.

Comentários

Deixe seu Comentário

Who are you?

Sua mensagem